A menina que abraça o vento é um livro infantil com uma narrativa doce e leve sobre a história de Mersene, uma garotinha que fugiu do triste conflito da República Democrática do Congo. Enquanto se adapta à nova vida no Brasil, Mersene, que teve que se separar de parte da família, cria uma brincadeira para driblar a saudade.

A história de Mersene foi inspirada em histórias reais de diversas meninas congolesas refugiadas na cidade do Rio de Janeiro. Foi na convivência com famílias refugiadas que a autora Fernanda Paraguassu observou a tocante capacidade dessas crianças em superar a dor e a saudade.

Este livro e seu propósito tão inspirador chegaram como um presente à Vooinho, o selo infantil da Editora Voo. A proposta da Vooinho é publicar livros que despertam nas crianças o olhar para um mundo melhor. Acreditamos que a literatura infantil é uma janela para um mundo de possibilidades, em que as crianças se sentem livres e seguras para se expressarem e buscarem significados para construir suas próprias percepções.


Na Vooinho, assim como na Voo, todos os livros trazem junto um projeto de contrapartida solidária. Cada livro A menina que abraça o vento vendido terá 5% da receita revertida ao PARES Cáritas-RJ. Com 40 anos de atuação, a Cáritas do Rio de Janeiro tem um trabalho pioneiro de assistência a refugiados no Brasil. O Programa de Atendimento a Refugiados e Solicitantes de Refúgio (PARES) é apoiado pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) e promove o acolhimento, a proteção legal e a integração local daqueles que chegam ao Rio de Janeiro.


Para tornar o livro A menina que abraça o vento uma realidade, precisamos do seu apoio. Com a compra antecipada do livro ou das demais recompensas, você estará ajudando a custear as etapas de ilustração, produção e impressão do livro.


O que representa para uma criança a fuga de seu próprio país, o abandono do seu lar, da sua família, amigos e escola por força de uma guerra? E para aquela que passa a conviver com um amigo que veio de fora porque teve que fugir do seu lar e precisa aprender um novo idioma? Como ajudá-lo? E o que ele traz de novidades sobre sua cultura? Seu idioma, sua música, sua comida, suas brincadeiras? Quais são as diferenças? E as semelhanças?

Assim como num passado não muito distante, continuamos a conviver hoje com a dura realidade trazida por perseguições, conflitos e guerras. Somente no ano passado, mais de seis milhões de pessoas se deslocaram no mundo na condição de refugiados (dados do ACNUR). No Brasil, de acordo com dados do CONARE (órgão do Ministério da Justiça), até o final de 2016, foi reconhecido um total de 9.552 refugiados de 82 nacionalidades. Os países com maior número de refugiados reconhecidos no país em 2016 foram Síria (326), República Democrática do Congo (189), Paquistão (98), Palestina (57) e Angola (26).

A República Democrática do Congo, país de origem da nossa personagem, está localizada na África central e antes era chamada de Zaire. Há quase duas décadas vive uma terrível guerra civil, com a participação de milícias e exércitos de países vizinhos. Os conflitos no leste do país já deixaram cerca de seis milhões de mortos e desaparecidos. É a maior e mais sangrenta guerra desde a Segunda Guerra Mundial. O país recebe ajuda humanitária da ONU, que colabora no tratamento de doenças como malária, sarampo, cólera, desnutrição, infecções e traumas, mas não consegue salvar o povo do extermínio em massa. Dessa realidade, fogem muitos congoleses, a maioria para países no próprio continente africano. Muitos, inclusive, embarcam no avião sem saber nada sobre o lugar para onde vão.


Por despertar crianças e adultos para temas como resiliência, empatia, respeito a outras culturas e acolhimento, o livro A menina que abraça o vento recebeu o selo “Pedagogicamente Responsável”. A chancela concedida pela Associação Educore destina-se a conteúdos que inspirem nos pequenos leitores a vontade de fazer o bem e contribuir para um mundo melhor.


Fernanda Paraguassu é jornalista e autora do livro Buenos Aires com crianças – aventurinhas na terra do dulce de leche. Inspirada nos próprios dilemas de mãe, escreveu a coluna Manhê! no site do GNT. A jornalista, que começou a carreira cobrindo economia em Brasília, é desafiada agora a trazer um texto leve para estimular o debate sobre como lidar com adversidades na infância. Fernanda, que morou com os filhos na Argentina e em Jerusalém, acredita que as crianças podem nos ensinar muito mais do que imaginamos.


Suryara Bernardi é uma ilustradora mineira com muito talento. Sua arte já estampou diversos livros infantis, revistas, materiais didáticos, dentre outros. O colorido e a leveza de seus traços foram determinantes na sua escolha para compor este projeto. Com certeza, Suryara saberá dar vida à personalidade da nossa Mersene.


A Vooinho é o selo infantil da Voo e nasceu de um sonho que sempre esteve ao lado do nosso propósito como editora: realizar projetos que inspirem e despertem nas crianças o olhar para um mundo melhor.

Nossa proposta é oferecer às crianças livros que inspirem, histórias que acolham e materiais que valorizem a sua liberdade criativa. Tudo isso sem deixar de lado aquela que é uma de nossas maiores motivações com os livros que vendemos: oferecer uma contrapartida solidária para cada exemplar comprado. Um por Um.


Terminada a campanha, estima-se que os livros serão postados em até 20 dias. Lembre-se de preencher com atenção seus dados para envio das recompensas. Caso elas retornem por endereço errado ou incompleto, será cobrada a postagem para reenvio.